Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

VERSOS RIMADOS

Versos de amor, de crítica, de meditação, de sensualidade, criados ao sabor da rima e da métrica pelo autor do blog...

Versos de amor, de crítica, de meditação, de sensualidade, criados ao sabor da rima e da métrica pelo autor do blog...

OS TEUS SEIOS

Pierette #3

Os meus lábios nos teus suaves seios
Encontram o prazer entumecente
Que transmite ao meu corpo já tremente
O vigor que sacia os devaneios...

Encho as mãos do teu peito e sinto anseios
A fluir como rios em torrente
Que tornam o meu sangue tão potente
Que estou dentro de ti livre de enleios...

Os teus seios redondos e empinados
São o cerne dos sonhos mais sonhados,
São a cana-de-açúcar que suguei,

São os pomos que o meu grito agarrou
Nos dias em que o teu corpo sangrou
E no teu inverso eu também sangrei

A SEDA DO TEU CORPO

sedadocorpo.jpg

O teu lânguido corpo sensual
Sempre envolto num manto sequioso
É presente e pretérito saudoso
Tem-me dado prazeres sem igual!

No teu corpo encontrei eu, afinal,
O desejo e o ardor voluptuoso
Que tornou nosso amor mais revoltoso
Do que as ondas de um forte temporal.

A seda tão brilhante como a lua
Que o teu corpo não perde nunca mais
Faz de ti uma diva sobre a terra.

No contacto co'a tua pele nua
Sinto como ninguém sentiu jamais
Os delírios que só o Céu encerra!

VIVERA ADORMECIDO

ruinas.jpg

Penetrei num castelo arruinado
Entre cujas paredes pressenti
As princesas vestidas de organdi
De que ouvira falar em qualquer lado!

Umas lindas princesas sequestradas
Nalguma iniciação de bacanais
As secretas orgias ancestrais
Lascívias amorosas perpetradas!

Pairava em redor uma nudez
Que tornava o meu corpo intumescente
Entre as lindas princesas envolvido

Imergi numa louca embriaguez
Jamais eu me sentira tão contente
Vivera até então adormecido!

VORACIDADE

voracidade.jpg

Não é terrena a tua terna imagem
Deusa de carne e osso, ó beldade,
Um corpo tens de etérea suavidade
Que me afoga inda antes da estiagem...

Deuses do Céu, olhai esta miragem
Certo dia tornada realidade:
É fome de leão, voracidade,
Velai por mim que morro da voragem...

Envolvido nos teus beijos e abraços
Penetro o corpo teu sem embaraços
E em ti a minh'alma logo exulta:

Não há vida, nem morte, nem há nada
Para além da volúpia alucinada,
Se pecamos não é por nossa culpa...

AS TUAS MÃOS

astuasmaos.jpg

Que saudades daquelas tuas mãos!
Macias de veludo e absorventes
Provocando os desejos mais ardentes
Nos nossos corpos jovens e tão sãos.

Não eram para nós os dias vãos
Pois vivíamos sempre assaz contentes
E, à noite, tão unidos e adjacentes
Como as escadas aos seus corrimãos.

Agora tenho fome sede e frio
Perdi a Primavera e o Estio
E o Inverno tomou conta de mim

Mas, às vezes, o Outono ainda brilha
E me traz à memória a maravilha
de sonhar e me crer dentro de ti!

A ESPUMA QUE RESSALTA

espuma.jpg

Como quem rompe as ondas sobre o mar
Numa veloz fragata sempre à vela
Tu penetras em mim com esse olhar
Que brilha no teu rosto, flor tão bela!

A graça da formosa Cinderela
O andar magestoso triunfante
O rubor tão intenso no semblante
O tremer que nos seios se revela!

A tua porta aberta que atordoa
Qual serpente que encanta ao fitar
O desejo em meu corpo amontoa!

A maré ondolosa vai tão alta
Que no teu corpo ardente vou entrar
E me afogar na 'spuma que ressalta!